Eu na PUC: Regis Novato

Fama, desejo e loucura. Essas três palavras compõem a trilogia “Fodasse o Glamour” de Regis Novato.

Regis é estudante de Design da PUC e gerou certa polêmica entorno de seu trabalho de Plástica (disciplina da grade curricular de Design e Arquitetura). O trabalho consistia em fazer experimentações de diversas formas de intervenção em diversos materiais de forma que a proposta fosse mantida. Bem, o Regis foi além da proposta e experimentou criar um monólogo onde ele mesmo sofresse essas intervenções.

A trilogia “Fodasse o Glamour” fala da fama instantânea, sucesso e reconhecimento, e relata semioticamente as formas de se deparar com esse momento.

Eu achei tão interessante a forma como esse trabalho foi abordado que resolvi entrevistar o Regis e entender como foi estabelecida essa conexão entre Artes performáticas  e Design.

Confiram a seguir a entrevista:

 

Espero que vocês tenham gostado!

Beijos,

B. Vaoli

Moda e Tecnologia: Hussein Chalayan

Muito se discute sobre o poder que a indústria da moda possui, os males causados por ela, as questões relacionadas ao consumo desenfreado, a produção de lixo têxtil e a exploração de mão de obra escrava, mas pouco é citado sobre os avanços tecnológicos no mundo da moda e no que isso nos afeta, seja economicamente ou intelectualmente.

Vou confessar que me interesso muito mais pelas questões socioeconômicas  do que tecnológicas, mas gostei muito de um vídeo que assisti no curso de jornalismo e comecei a repensar o conceito de moda.

O vídeo mostra o desfile de Primavera/Verão 2007 de Hussein Chalayan em parceria com a  Swarovski. Hussein Chalayan é um Designer de Moda Turco/Britânico que se destacou algumas vezes como Designer Britânico do ano.

Hussein-Chalayan-Vionnet

O desfile é inacreditável! Há um mix de tecidos maravilhosamente compostos por cristais  Swarovski, shape fluido, tranparências, tecidos acetinados, recortes, volume e movimento. A trilha sonora ajudou a compor a cena, os sons remetiam às guerras e conflitos presentes no século XX.

hussein_chalayan_from_fashion-and-back_design_museum_yatzer_d

 

HUSSEIN CHALAYAN

Ao final do desfile você se pergunta se realmente está vendo aquilo tudo. Os shapes se transformam e tudo o que havia não mais há . É onde a fusão entre moda e tecnologia acontece. O momento que mais me chamou a atenção foi quando a última modelo entra com o último look e tudo o que resta dele é o chapéu.

A partir daí comecei a me questionar sobre a criação na moda. Obviamente que essa última parte do desfile dele foi completamente conceitual e tecnológica, não é uprêt-à-porter (ou ready-to-wear), mas nos faz questionar sobre até onde podemos ir com a moda e que ela não se resume ao fast fashion, mas que vai muito além do que o senso comum nos impõe.

Vocês irão entender melhor meu release do desfile ao assistirem ao vídeo e poderão tirar suas próprias conclusões do que realmente  é moda.

Espero que curtam !!

https://www.youtube.com/watch?v=Ae81FcczsI8

Beijos,

B. Vaoli

Os Sustentáveis

Bom dia pessoal ! Eu estava meio sumida, mas voltei e eis que vos apresento o motivo do meu sumiço: Projeto 1004

Lembram que eu havia falado que iria postar o andamento do meu Projeto na faculdade ? Então, está muito legal ! Ontem foi a nossa G1 (primeira avaliação) e estamos muito satisfeitos, não é nem pela apresentação em si, mas por ter encontrado uma parceira tão incrível como a Sueli.

Estou amando fazer esse Projeto com meu grupo, que é a Sara, o  Luiz ( os do vídeo) e a Isabella (que fala sobre make aqui no blog). E a Sueli chegou num ótimo momento, pois estou começando a me envolver com a questão da sustentabilidade aqui mesmo no blog, influenciada pela Leona e a Ecolection, e o bazar que tem todo o conceito de reaproveitar as roupas que outras pessoas não usam mais.

Esse mometo está sendo bom, pois comecei a prestar mais atenção em pequenos detalhes como: compras exageradas, utilização de sacolas plásticas, mistura do lixo. Parece demagogia ou mimimi, mas é verdade, se cada um fizer sua parte poderemos deixar um lugar melhor para as gerações futuras.

Para quem não sabe, as práticas sustentáveis estão relacionadas à eliminação do desperdício, incentivo à reciclagem e a diminuição da poluição

É bom parar para refletir!

E você, tem alguma prática sustentável ?

Deixe seu comentário aqui embaixo, será ótimo saber quem tem o mesmo pensamento que eu, que não acha isso tudo uma grande bobagem.

Beijos,

B. Vaoli

Projeto 1004

Pessoinhas, como vão ? Tudo bem ? E esse tempinho delícia hein .. Tá bom para dormir, mas nem tudo é como a gente quer :/

Bom, as aulas começaram, as oito matérias estão aí e vamos ser felizes com nossos bilhetes únicos, êee !!

Como sabem, a matéria mais sinistra que nós, estudantes de Design da PUC, temos é o tão temido PROJETO.  Em cada período, a proposta de Projeto é diferente, uns são misturando as habilitações (Moda, Mídia Digital, Projeto de produto e Comunicação Visual) e outros específicos. No período passado eu fiz o 1003 que foi uma coleção de Pijama que dessem para sair, lembram ??

Coleção Leella / Foto: Bruna Vaoli

Coleção Leella / Foto: Bruna Vaoli

Então, deu tudo certo e cheguei ao 1004. ENTRETANTO, nesse período, a proposta é totalmente diferente: nós temos que desenvolver um Projeto para empreendedores de rua ! Já começamos a pesquisar sobre o assunto, mapeamentos de locais com maior concentração de ambulantes e etc. Essa semana já conhecemos pessoas incríveis, porém ainda não fechamos com nosso parceiro (o empreendedor escolhido), temos que resolver isso até a próxima quarta-feira.

Irei registrar aqui os processos que iremos passar até chegar ao produto final. Como iremos filmar todos os passos, vai ficar bem dinâmico. O grupo está super empenhado e eu acredito que esse Projeto vai ser bem legal 🙂

Então, se eu der uma sumida (pelo menos um dia) é porque estou em Projeto, ok?

Nos desejem sorte !

Beijinhos,

B. Vaoli

DSG 1003 – Campi

Booooom dia digníssimos !!!

Hoje temos mais um Projeto do 1003 🙂 OMG ! Eu já disse ontem e repito: esse foi um dos Projetos de CV que mais amei, completamente apaixonada por ele, meninas, vocês arrasaram !

A Flávia, super fofa, me passou o resuminho (inho ?) HAHA do Projeto delas. E por falar nelas, as componentes do grupo são: Flávia Moraes, Justine Hack, Mayra Leassis e Thayná Matos.

1045178_485962748153852_102568947_n

Evento Pranchas – Esq.: Mayra, Thayná, Flávia e Justine

Chegamos à CAMPI através de um amigo do grupo. Explicamos ao dono, Mario Campioli, como seria feito o projeto e ele aceitou ser nosso cliente. Quando conhecemos o Mário e a CAMPI, vimos que o logotipo deles e o site não eram condizentes com a personalidade e o lugar. Dessa forma, definimos que a nossa questão seria fazer um logotipo e um site  que retratasse melhor como eles eram. Definimos que o conceito seria o diferencial da CAMPI e a personalidade forte do Mario. E assim, começamos as experimentações. A princípio, começamos pesquisando fontes e aplicando texturas, dentro e fora da letra, em letras caixa alta; depois tentamos destacar a letra “M”, já que no logo original, essa letra é destacada para fazer referencia ao nome do dono -Mario. Porém, nós ainda achávamos que não representava a CAMPI. Assim, resolvemos ir até a CAMPI e fazer um jogo de palavras com o Mario, para definirmos conceitos mais exatos, e após ele escolher 5 conceitos, chegamos ao conceito de transformação. A seguir, tentamos aplicar esse conceito na logo, e também dar um toque maior de expressividade à mesma. Testamos símbolos, porém ainda não acreditamos que fosse o caminho. Percebemos que o caminho, então, seria usar letras e fontes em caixa baixa, pois achávamos que  demonstrava bem mais expressividade e, assim, poderia representar melhor a CAMPI. A partir daí, começamos a fazer letterings em algumas fontes – em caixa baixa – que achávamos que poderia representar todos os conceitos que havíamos definido. A partir das alternativas geradas, chegamos à fonte HoratioD. Com ela, trabalhamos várias opções de lettering, e dessa forma  foi possível representar mais ainda a expressividade e simular, no traço, a fluidez de um pincel. Também demos um pequeno destaque ao “m”. Para finalizar, separamos o logotipo em duas partes: maquiagem – parte estética – e efeitos – parte artística –, já que na CAMPI há uma sala para cada um, e além disso, essas duas partes poderiam ser melhor representadas. O lettering para a logo de maquiagem e para a de efeitos era o mesmo. O que mudava eram as cores e o subtítulo – “curso de efeitos” e “curso de maquiagem”. Para esses subtítulos, foi escolhida a fonte “Frutiger” em caixa alta, dando um toque de leveza e elegância para a logo.

Bom, nada melhor do que a apresentação delas para vocês entenderem né ? pois bem, aí está: Apresentação G2 campi

Aii gente, não ficou lindo ? Eu falei …

Parabéns meninas, obrigada por nos ceder esse trabalho que ficou tão massa. Sucesso sempre 🙂

Ahh, pessoas, hoje tem Ecolection com suas peças novinhas para nós, mas lá na página do blog, ok ?

Beijos Dignos,

B. Vaoli

DSG 1003 – Sorveteiro soviético

935251_672060506141426_578113732_n

Olá pessoas ! Hoje temos aqui a apresentação do primeiro Projeto do 1003, é um Projeto de CV (comunicação visual) que ficou irado e vai abrir a nossa semana de apresentações de projeto. Quem curtir pode deixar seu comentário aqui embaixo. Tenh0 certeza de que vocês vão gostar assim como eu.

Pedi que meu amigo André, um dos componentes do grupo, explicasse um pouquinho do Projeto para nós.

     Desde o início do projeto, quando nos encontramos no grupo “Música”, estávamos de acordo sobre desenvolver a identidade visual de uma banda. Dentre os integrantes do grupo, tínhamos contato com três bandas, e após conversarmos, escolhemos trabalhar com a banda Sorveteiro Soviético. Formada por Luca Neroni (guitarra), Pedro Dutra (baixo) e Luque Abdallah (bateria/voz), o som da banda busca mesclar influências de blues e de rock setentista, com letras todas em inglês que aborda temas comuns da adolescência. A identidade visual que eles possuíam era muito mal resolvida e não condizia em nada com seu som, e muito menos possuía uma uniformidade. Era constituída principalmente de uma logo e desenhos feitos pelos integrantes que não transmitiam o que a banda passava com o seu som. Inicialmente nosso objetivo era dissociar o nome de uma interpretação literal, e decidimos focar mais num logo sem a presença do sorvete. Após um estudo tipográfico e conversar extensas com professores e colegas, chegamos no conceito de ‘como seria uma sorveteria soviética’. A partir daí, com a idéia de letreiros nos guiando, escolhemos a fonte Langdon. Mesmo assim, ainda sentíamos falta de algo. Voltamos atrás e decidimos resgatar a presença do sorvete, algo que acreditamos ser importante para a identidade da banda, que traz uma certa ironia que faz parte de sua essência. Para nós, um sorvete de uma sorveteria soviética não seria gostoso, colorido, nem convidativo. Por isso decidimos trabalhar somente com linhas retas, buscando também uma insígnia que conversasse com a Langdon. Por fim, após muitas variações e mesclando aspectos militares, atingimos o logo final.

Link da apresentação final: G2

E aí povo, vocês curtiram ? Pô, eu super curti !

Quem estiver interesse em ouvir um som da banda, é só ir lá na página deles no fb: https://www.facebook.com/SorveteiroSovietico

Deixe sua opinião p mim ta? 

Agradeço ao pessoal do grupo por mostrar o trabalho aqui p todos verem 🙂

André Manoel, Beatriz Tacconi, Beatriz Andrade e Yasmin Avila

Beijos Dignos,

B. Vaoli

Como criar um currículo – Guia perfeito para Designers

Ai meu pai, como tenho dificuldade na hora de criar um currículo, afinal, como Designers temos “carta branca” para ousar, porém temos que seguir certos padrões.

O currículo pode chegar a ser até mais importante do que o próprio portfólio.

Ele pode ir do mais simples ao mais estilizado …

choco4

2254

… entretanto têm empresas que só aceitam no bendito Word, logo…

curriculum-vitae-modelo5-amarillo12

Pesquisando sobre currículo de Designer achei um site com dicas ótimas e resolvi postar aqui para os amiguinhos e para quem quer se libertar do Word (gente, Designer e Word não rola, porfaaaaaa).

Claro que podemos filtrar o que é relevante e o que não é, a gente passa.

Fonte: http://www.designzzz.com/how-to-create-resume-guide-designers/

Para os Designers, a redação de um currículo, quase sempre, é um pesadelo. Por isso, quando for elaborá-lo lembre-se: ele é o trailer e você é o filme.

O QUE ESCREVER?

INFORMAÇÕES DE CONTATO

Bem, não é necessário lembrá-lo de que você precisa colocar as suas informações de contato. Mas também não deixe de colocar “Designer Gráfico” próximo ao seu nome, pois quem receber o currículo saberá de qual profissional se trata.

OBJETIVO

Este é o item que definirá a sua personalidade e o seu comprometimento com a empresa, para possíveis empregadores. Então, escreva o seu objetivo da maneira mais profissional possível.

EXPERIÊNCIA

Este é o item mais valioso em um currículo. Ele mostrará o quão bom ou ruim você é quando faz um trabalho. Então, se tiver uma ótima experiência, coloque-a em destaque no seu currículo.

EDUCAÇÃO

Se não tiver uma grande experiência na área, então o destaque no seu currículo deve ser a sua educação.

  • Seus diplomas;
  • Datas de quando conseguiu aqueles diplomas e qualificações;
  • Faculdades que frequentou;
  • Localização das faculdades que frequentou;
  • Diplomas ou cursos adicionais (se houver).

CAPACIDADES

Também conhecidas como Pontos Fortes. Este é o local do seu currículo onde poderá escrever livremente. Mas lembre-se: tente não parecer que está se elogiando demais.

HABILIDADES COM PROGRAMAS DE COMPUTADOR

Simplesmente liste os programas de computador (softwares) que você sabe usar.

PRÊMIOS

Este não é um item necessário, mas se você ganhou algum prêmio, inclua esta informação. Os empregadores também gostam de profissionais que são membros de comunidades de design e organizações.

INTERESSES

Também podem ser chamados de hobbies. Escreva algo que reflita a sua personalidade. Sua personalidade será definida pelos seus hobbies e interesses.

COMO FAZER O DESIGN DO CURRÍCULO

PAPEL

Este é um item básico, no qual a maioria das pessoas esquecem o papel. Se você é um designer, o seu currículo deve ser memorável e, acredite ou não, o papel tem uma importância muito grande nisso.

LAYOUT

Um pouco intrigante. De acordo com algumas pessoas, o currículo de um designer NÃO deve ser feito no Microsoft Word. Mas, visto que as empresas normalmente recebem apenas currículos neste formato, tente fazer algo mais dinâmico. Use grades ou outros tipos de estilos, mas não exagere!

TIPOGRAFIA

De acordo com profissionais, um designer não deve usar em seu currículo fontes como Times New Roman, de estilos antigos e muito utilizadas.

O QUE NÃO FAZER

Mentir. Isso sempre o colocará em situações desagradáveis. Então não minta sobre nada.

objetivo deve ser genérico demais no topo.

Citar um interesse ou hobby o qual pode demonstrar ao empregador que você não é uma pessoa que trabalha muito duro.

Não escreva nada que possa ser ofensivo a alguém. Tente ser político, moral e legalmente correto, sempre!

——————————————————————————————————————————————————————–

E aí curtiram ? Já não estou tão confusa, já posso começar a criar o meu 🙂

Beijos Digníssimos,

B. Vaoli